Replan assedia trabalhadores por cumprirem procedimento interno

O estudo de O&M (Omissão e Mentiras), implementado pela Petrobrás, mostrou, mais uma vez, que é de uma incompetência sem tamanho e um verdadeiro tiro no pé.
Com a implantação do estudo na Replan, que resultou no corte do efetivo, alguns procedimentos foram alterados, como, por exemplo, a aplicação de LIBRA. A liberação de equipamentos para manutenção, que antes era feita pelo turno, passou a ser responsabilidade do OpMan, posto de trabalho alocado no HA.
No último dia 26, entretanto, foi solicitado ao turno da zero hora que fizesse a liberação de um compressor para manutenção, contrariando o novo procedimento interno (item 24). Os trabalhadores operacionais, como esperado, se recusaram a executar o serviço.
Na saída do turno, na manhã do dia seguinte, a empresa segurou o operador responsável pela área do compressor para uma reunião com a supervisão e os interinos dos gerentes setorial e de produção, que questionaram o motivo de não ter sido feita a liberação do equipamento e tentaram convencer o trabalhador de que havia uma interpretação errada do procedimento.
O operador ainda foi acusado de insubordinação e assediado moralmente, com dizeres do tipo “você é pago para isso”, comunicado que receberia uma nota negativa em seu GD e que o mesmo recado seria passado aos outros grupos de turno.
Diante dessa pressão, o trabalhador argumentou que estava apenas cumprindo o procedimento e que a empresa deveria, então, revisar esse processo. A resposta recebida foi a de que o procedimento não poderia ser alterado por conta do estudo de O&M.
“Ou seja, o trabalhador foi assediado por cumprir o procedimento interno, que é estabelecido pela própria empresa?”, questiona o coordenador da Regional Campinas, Gustavo Marsaioli.
Segundo ele, essa situação corrobora com tudo que o Sindicato vem falando contra esse estudo, “que é só para inglês ver. Sua implementação só serviu para reduzir efetivo e precarizar ainda mais as condições de trabalho na refinaria”, declarou.

Mudança de procedimento
Segundo informações que chegaram aos dirigentes sindicais, a gerência da Replan estaria modificando o procedimento interno, a fim de que o serviço possa ser realizado por todos os trabalhadores. “Vão mudando a regra com o jogo andando e de acordo com o que é mais conveniente à empresa”, afirmou Marsaioli.