Dois acidentes em três dias é o primeiro resultado da redução do efetivo

A redução do efetivo mínimo, medida arbitrária implementada pela Replan, já trouxe sua primeira consequência: uma explosão em um soprador do setor de Destilação, na noite de quinta-feira (22). Ninguém ficou ferido, porque não havia nenhum trabalhador perto do equipamento. Caso contrário, a refinaria iria contabilizar em sua enorme lista de acidentes mais um registro com vítima, e talvez fatal.
Segundo os operadores, o soprador ficou em manutenção no período da manhã e voltou à tarde para o setor. Assim que foi colocado para operar, o cubículo do equipamento na subestação elétrica explodiu e afetou outros dois cubículos. Uma nuvem de fumaça tomou conta da área e assustou os trabalhadores.
“Se tivesse alguém perto do equipamento, ele teria se queimado. Poderíamos ter uma tragédia. Sorte que o técnico estava distante”, afirmou um operador.
Com a explosão, o sistema de proteção elétrica foi acionado e desligou automaticamente vários equipamentos e o painel. No momento, havia cinco técnicos de operação na área e todos tiveram que atuar para controlar a situação. Indignados, os trabalhadores chegaram a protestar, gritando no rádio: “Parabéns, chefia! Reduz o efetivo. Cadê a segurança?”.
O soprador continua parado, de acordo com os trabalhadores, para ser analisado e avaliadas as causas da explosão. O acidente diminuiu a eficiência energética do forno da Destilação, mas não afetou a carga.

Vazamento de nafta
No final de semana, durante um procedimento de liberação, houve vazamento de nafta pesado, atingindo dois trabalhadores. O Sindicato ainda está apurando as causas  e a gravidade deste acidente, mas fica claro que a falta de efetivo novamente foi fator preponderante para a ocorrência.
“Estamos próximos de um acidente de grandes proporções por conta do corte de pessoal e sobrecarga de trabalho”, afirma Giba, diretor do Sindicato.